Contato: joaoregotk@hotmail.com -----68 99987-8418

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Tucanos já discutem pós-impeachment com Temer

Todos os tucanos presentes ressaltaram a necessidade do aprofundamento do ajuste fiscal

Num longo jantar no Palácio do Jaburu, a cúpula tucana discutiu com o presidente em exercício Michel Temer o pós-impeachment.

Numa conversa franca, o presidente do PSDB, Aécio Neves, alertou que este não seria um mandato presidencial qualquer e que é preciso ter responsabilidade histórica neste momento.

Todos os tucanos presentes ressaltaram a necessidade do aprofundamento do ajuste fiscal. Além de Aécio, estavam o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes, o líder do PSDB, Cássio Cunha Lima, e os senadores Tasso Jereissati, José Aníbal e o senador Ricardo Ferraço.

Michel Temer assina notificação de posse como presidente interino encaminhada pelo Senado /Foto: Reprodução

Ao lado de Temer, estavam o secretário-executivo do programa de parcerias Moreira Franco e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Em sua fala, Temer reconheceu que fez concessões para poder governar, entre elas, o reajuste para vários setores do funcionalismo público.

“Se eu não tivesse concedido esses reajustes, eles teriam parado o Brasil. Além disso, eram contratos por escrito, assumidos no governo anterior”, justificou Temer.

Os presentes reconheceram, com preocupação, que há um avanço das pautas corporativas no Congresso. O ministro Eliseu Padilha foi além e alertou que se não for feito, neste momento, o ajuste, em 2025 o Brasil vai ter 100% de suas receitas com a dívida pública e a Previdência.

Saia-justa

Segundo relatos, houve momentos de saia-justa no jantar. Tucanos cobraram de Moreira Franco sobre declarações aos jornais em que pedia responsabilidade do PSDB para não desestabilizar o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. O senador Cássio Cunha Lima alertou que, se ele não tivesse colocado um freio, tucanos e peemedebistas estariam brigando até agora pelos jornais.

Tucanos já dão como certo o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff /Foto: Reprodução

Os tucanos também ressaltaram que Meirelles tem que cuidar da economia e que não deve tratar de política, já que, no entendimento do PSDB, essa não é a praia do ministro.

Os integrantes da sigla estão em alerta com a possibildade de Meirelles sair candidato à Presidência em 2018.

Num gesto de agrado ao PSDB, Temer reforçou que quando chamou Aloysio para a liderança do governo, queria dar o “rosto do PSDB no governo”.

Foi quando Aécio Neves acrescentou: “mais do que o rosto do PSDB, coloque a alma do partido no seu governo”.

BLOG DO CAMAROTTI18/08/2016 11:29:43

Nenhum comentário: