joaoregotk@hotmail.com

quarta-feira, 3 de maio de 2017

TARAUACÁ: SINTEAC E PREFEITURA DEBATEM DATA BASE 2017

Na tarde desta terça-feira (02), reuniu-se no gabinete da prefeita a Direção do Sinteac, juntamente com a equipe da prefeitura de Tarauacá composta por Anazilda Palazzo, Fandermiler Freitas, o Secretário de educação Rosenir Arcênio e a prefeita Marilete Vitorino.
Na oportunidade foram discutidos os principais pontos da data-base dos servidores da educação do município de Tarauacá.
O presidente do Sinteac Lauro Benigno cobrou uma resposta da prefeitura em relação à database deste ano, pois o sindicato enviou um ofício a SEME ainda no mês de fevereiro, contendo os principais pontos para discussão e negociação dos trabalhadores em educação:
Na tarde desta terça-feira (02), reuniu-se no gabinete da prefeita a Direção do Sinteac, juntamente com a equipe da prefeitura de Tarauacá composta por Anazilda Palazzo, Fandermiler Freitas, o Secretário de educação Rosenir Arcênio e a prefeita Marilete Vitorino.
Na oportunidade foram discutidos os principais pontos da data-base dos servidores da educação do município de Tarauacá.
O presidente do Sinteac Lauro Benigno cobrou uma resposta da prefeitura em relação à database deste ano, pois o sindicato enviou um ofício a SEME ainda no mês de fevereiro, contendo os principais pontos para discussão e negociação dos trabalhadores em educação:
  1. Reposição das perdas salariais dos últimos 12 meses  correspondente a  10.67%(IPCA/IBGE);
  2. Aprovação em caráter de urgência do PCCR, contemplando a redução de carga horária  para os servidores de apoio e a sexta parte para todos os servidores a partir de 25 anos de contrato;
  3. Implementação do Regime Próprio de Previdência ou retorno do FGTS;
Na pauta ainda foi discutido a situação precária em que se encontram várias escolas do município, dentre elas Rilza Daniel, conclusão da Valdina Torquato, problemas relacionado a energia das escolas, principalmente as que possuem ar condicionados e a situação de algumas escolas rurais.


Ainda foram abordados problemas relacionados ao fornecimento de gêneros alimentícios para a alimentação escolar e reinicio das obras de construção de outras escolas que se encontram em andamento, como a escola 15 de junho, escola da comunidade do Boto, escola da comunidade da Capela e outras, assim também como a contratação de professores e servidores de apoio do seletivo para trabalharem nas escolas urbanas e rurais e  início do ano letivo das escolas da zona rural.
A prefeita se propôs em relação às escolas menores onde há pouca demanda, de imediatamente buscar a solução, já em relação as que estão em construção, ou precisa liberar um recurso maior estará indo a Brasília para junto ao Ministério da Educação buscar a liberação do restante dos repasses, para com isso darem seqüência ao andamento das obras, problemas esses enfrentados pela escola Rilza Daniel e outras escolas polos das comunidades rurais.
Em relação à data-base, se comprometeu em conjunto com o secretário que até o dia 15 deste mês, estará enviando ao SINTEAC uma contraproposta para os trabalhadores em educação analisarem.
Já o vice-presidente Eurico Paz, fez um questionamento sobre o adicional de ferias de 45 dias para os professores que estão em sala de aula, onde os mesmos não estão sendo pagos como preconiza a lei, assim como o abono salarial de R$: 100,00 para servidores de apoio e R$: 200,00 para professores, negociados ainda na gestão anterior.
Quanto ao pagamento de férias relacionadas ao mandato anterior a prefeita disse que não fará o pagamento, se comprometendo a pagar apenas a partir do próximo ano (2018), que diz respeito ao seu mandato. Em ralação aos últimos 5(cinco) anos o SINTEAC ingressará com uma ação jurídica para que a lei seja cumprida.
Em relação ao abono a prefeita colocou a proposta de realizar o pagamento de uma parcela atrasada juntamente com a do mês vigente até quitar todas as que estão em atraso a partir deste mês.
Na tarde desta terça-feira (02), reuniu-se no gabinete da prefeita a Direção do Sinteac, juntamente com a equipe da prefeitura de Tarauacá composta por Anazilda Palazzo, Fandermiler Freitas, o Secretário de educação Rosenir Arcênio e a prefeita Marilete Vitorino.
Na oportunidade foram discutidos os principais pontos da data-base dos servidores da educação do município de Tarauacá.
O presidente do Sinteac Lauro Benigno cobrou uma resposta da prefeitura em relação à database deste ano, pois o sindicato enviou um ofício a SEME ainda no mês de fevereiro, contendo os principais pontos para discussão e negociação dos trabalhadores em educação:
  1. Reposição das perdas salariais dos últimos 12 meses  correspondente a  10.67%(IPCA/IBGE);
  2. Aprovação em caráter de urgência do PCCR, contemplando a redução de carga horária  para os servidores de apoio e a sexta parte para todos os servidores a partir de 25 anos de contrato;
  3. Implementação do Regime Próprio de Previdência ou retorno do FGTS;
Na pauta ainda foi discutido a situação precária em que se encontram várias escolas do município, dentre elas Rilza Daniel, conclusão da Valdina Torquato, problemas relacionado a energia das escolas, principalmente as que possuem ar condicionados e a situação de algumas escolas rurais.
Ainda foram abordados problemas relacionados ao fornecimento de gêneros alimentícios para a alimentação escolar e reinicio das obras de construção de outras escolas que se encontram em andamento, como a escola 15 de junho, escola da comunidade do Boto, escola da comunidade da Capela e outras, assim também como a contratação de professores e servidores de apoio do seletivo para trabalharem nas escolas urbanas e rurais e  início do ano letivo das escolas da zona rural.
A prefeita se propôs em relação às escolas menores onde há pouca demanda, de imediatamente buscar a solução, já em relação as que estão em construção, ou precisa liberar um recurso maior estará indo a Brasília para junto ao Ministério da Educação buscar a liberação do restante dos repasses, para com isso darem seqüência ao andamento das obras, problemas esses enfrentados pela escola Rilza Daniel e outras escolas polos das comunidades rurais.
Em relação à data-base, se comprometeu em conjunto com o secretário que até o dia 15 deste mês, estará enviando ao SINTEAC uma contraproposta para os trabalhadores em educação analisarem.
Já o vice-presidente Eurico Paz, fez um questionamento sobre o adicional de ferias de 45 dias para os professores que estão em sala de aula, onde os mesmos não estão sendo pagos como preconiza a lei, assim como o abono salarial de R$: 100,00 para servidores de apoio e R$: 200,00 para professores, negociados ainda na gestão anterior.
Quanto ao pagamento de férias relacionadas ao mandato anterior a prefeita disse que não fará o pagamento, se comprometendo a pagar apenas a partir do próximo ano (2018), que diz respeito ao seu mandato. Em ralação aos últimos 5(cinco) anos o SINTEAC ingressará com uma ação jurídica para que a lei seja cumprida.
Em relação ao abono a prefeita colocou a proposta de realizar o pagamento de uma parcela atrasada juntamente com a do mês vigente até quitar todas as que estão em atraso a partir deste mês.
Na tarde desta terça-feira (02), reuniu-se no gabinete da prefeita a Direção do Sinteac, juntamente com a equipe da prefeitura de Tarauacá composta por Anazilda Palazzo, Fandermiler Freitas, o Secretário de educação Rosenir Arcênio e a prefeita Marilete Vitorino.
Na oportunidade foram discutidos os principais pontos da data-base dos servidores da educação do município de Tarauacá.
O presidente do Sinteac Lauro Benigno cobrou uma resposta da prefeitura em relação à database deste ano, pois o sindicato enviou um ofício a SEME ainda no mês de fevereiro, contendo os principais pontos para discussão e negociação dos trabalhadores em educação:
  1. Reposição das perdas salariais dos últimos 12 meses  correspondente a  10.67%(IPCA/IBGE);
  2. Aprovação em caráter de urgência do PCCR, contemplando a redução de carga horária  para os servidores de apoio e a sexta parte para todos os servidores a partir de 25 anos de contrato;
  3. Implementação do Regime Próprio de Previdência ou retorno do FGTS;
Na pauta ainda foi discutido a situação precária em que se encontram várias escolas do município, dentre elas Rilza Daniel, conclusão da Valdina Torquato, problemas relacionado a energia das escolas, principalmente as que possuem ar condicionados e a situação de algumas escolas rurais.
Ainda foram abordados problemas relacionados ao fornecimento de gêneros alimentícios para a alimentação escolar e reinicio das obras de construção de outras escolas que se encontram em andamento, como a escola 15 de junho, escola da comunidade do Boto, escola da comunidade da Capela e outras, assim também como a contratação de professores e servidores de apoio do seletivo para trabalharem nas escolas urbanas e rurais e  início do ano letivo das escolas da zona rural.
A prefeita se propôs em relação às escolas menores onde há pouca demanda, de imediatamente buscar a solução, já em relação as que estão em construção, ou precisa liberar um recurso maior estará indo a Brasília para junto ao Ministério da Educação buscar a liberação do restante dos repasses, para com isso darem seqüência ao andamento das obras, problemas esses enfrentados pela escola Rilza Daniel e outras escolas polos das comunidades rurais.
Em relação à data-base, se comprometeu em conjunto com o secretário que até o dia 15 deste mês, estará enviando ao SINTEAC uma contraproposta para os trabalhadores em educação analisarem.
Já o vice-presidente Eurico Paz, fez um questionamento sobre o adicional de ferias de 45 dias para os professores que estão em sala de aula, onde os mesmos não estão sendo pagos como preconiza a lei, assim como o abono salarial de R$: 100,00 para servidores de apoio e R$: 200,00 para professores, negociados ainda na gestão anterior.
Quanto ao pagamento de férias relacionadas ao mandato anterior a prefeita disse que não fará o pagamento, se comprometendo a pagar apenas a partir do próximo ano (2018), que diz respeito ao seu mandato. Em ralação aos últimos 5(cinco) anos o SINTEAC ingressará com uma ação jurídica para que a lei seja cumprida.
Em relação ao abono a prefeita colocou a proposta de realizar o pagamento de uma parcela atrasada juntamente com a do mês vigente até quitar todas as que estão em atraso a partir deste mês.
Na tarde desta terça-feira (02), reuniu-se no gabinete da prefeita a Direção do Sinteac, juntamente com a equipe da prefeitura de Tarauacá composta por Anazilda Palazzo, Fandermiler Freitas, o Secretário de educação Rosenir Arcênio e a prefeita Marilete Vitorino.
Na oportunidade foram discutidos os principais pontos da data-base dos servidores da educação do município de Tarauacá.
O presidente do Sinteac Lauro Benigno cobrou uma resposta da prefeitura em relação à database deste ano, pois o sindicato enviou um ofício a SEME ainda no mês de fevereiro, contendo os principais pontos para discussão e negociação dos trabalhadores em educação:
  1. Reposição das perdas salariais dos últimos 12 meses  correspondente a  10.67%(IPCA/IBGE);
  2. Aprovação em caráter de urgência do PCCR, contemplando a redução de carga horária  para os servidores de apoio e a sexta parte para todos os servidores a partir de 25 anos de contrato;
  3. Implementação do Regime Próprio de Previdência ou retorno do FGTS;
Na pauta ainda foi discutido a situação precária em que se encontram várias escolas do município, dentre elas Rilza Daniel, conclusão da Valdina Torquato, problemas relacionado a energia das escolas, principalmente as que possuem ar condicionados e a situação de algumas escolas rurais.
Ainda foram abordados problemas relacionados ao fornecimento de gêneros alimentícios para a alimentação escolar e reinicio das obras de construção de outras escolas que se encontram em andamento, como a escola 15 de junho, escola da comunidade do Boto, escola da comunidade da Capela e outras, assim também como a contratação de professores e servidores de apoio do seletivo para trabalharem nas escolas urbanas e rurais e  início do ano letivo das escolas da zona rural.
A prefeita se propôs em relação às escolas menores onde há pouca demanda, de imediatamente buscar a solução, já em relação as que estão em construção, ou precisa liberar um recurso maior estará indo a Brasília para junto ao Ministério da Educação buscar a liberação do restante dos repasses, para com isso darem seqüência ao andamento das obras, problemas esses enfrentados pela escola Rilza Daniel e outras escolas polos das comunidades rurais.
Em relação à data-base, se comprometeu em conjunto com o secretário que até o dia 15 deste mês, estará enviando ao SINTEAC uma contraproposta para os trabalhadores em educação analisarem.
Já o vice-presidente Eurico Paz, fez um questionamento sobre o adicional de ferias de 45 dias para os professores que estão em sala de aula, onde os mesmos não estão sendo pagos como preconiza a lei, assim como o abono salarial de R$: 100,00 para servidores de apoio e R$: 200,00 para professores, negociados ainda na gestão anterior.
Quanto ao pagamento de férias relacionadas ao mandato anterior a prefeita disse que não fará o pagamento, se comprometendo a pagar apenas a partir do próximo ano (2018), que diz respeito ao seu mandato. Em ralação aos últimos 5(cinco) anos o SINTEAC ingressará com uma ação jurídica para que a lei seja cumprida.
Em relação ao abono a prefeita colocou a proposta de realizar o pagamento de uma parcela atrasada juntamente com a do mês vigente até quitar todas as que estão em atraso a partir deste mês.
(assessoria sinteacTk)

Nenhum comentário: