Contato: joaoregotk@hotmail.com -----68 99987-8418

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Rodrigo Maia vence Rosso no 2º turno e é eleito presidente da Câmara

O novo presidente da Câmara é eleito sob os gritos de "fora Cunha". Rodrigo Maia derrotou o candidato ligado ao deputado afastado Eduardo Cunha. A eleição na Câmara põe fim ao impasse político que se arrastava desde maio, quando Eduardo Cunha foi afastado da presidência pelo Supremo Tribunal Federal. Foi um dia de muita articulação, articulação que entrou noite adentro, inclusive, e atuação do governo também. Acabou que o resultado deu em Rodrigo Maia, um aliado do governo.
Ele não era o preferido do Palácio do Planalto, que queria Rogério Rosso, do PSD. Mas, para o governo, o resultado foi muito melhor do que aquela ameaça de outro candidato, Marcelo Castro, do PMDB, ex-ministro de Dilma Roussef. Rodrigo Maia teve apoio importante dos principais partidos que apoiam Michel Temer, como o PSDB, e o DEM, partido de Rodrigo Maia, e também contou com a ajuda da esquerda, do PT, PSB e PCdoB.
Ao discursar após ser eleito na madrugada desta quinta-feira (14) para presidir a Câmara, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) chorou e disse que tentará conduzir a Casa com "simplicidade". O parlamentar venceu Rogério Rosso (PSD-DF), apontado como candidato favorito do Palácio do Planalto, no segundo turno da eleição, por 285 votos a 170.
Ao sentar-se na cadeira de presidente da Câmara, Maia elogiou o segundo colocado na disputa, e disse que a corrida por votos foi "limpa, na política". Ele também agradeceu aos partidos que o apoiaram e chegou a citar nominalmente diversos políticos.
"Quero agradecer ao PSDB [...], ao PSB, ao PPS e ao DEM, meu partido. [...] Aos partidos que me ajudaram no segundo turno. [...] Vamos, a partir de amanhã, governar com simplicidade. [...] Nós temos que pacificar esse plenário, temos que dialogar com a maioria, com a minoria", afirmou o novo presidente da Câmara.
Ao agradecer a seus pais e familiares, o deputado chorou e foi aplaudido. Ele brincou ao dizer que é "muito emotivo" e que alguns colegas recomendaram a ele que tomasse calmantes para "aguentar" a tensão da disputa. "Eu aguentei, mas tomei três calmantes”, brincou.
Maia irá suceder ao deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou à posição na semana passada após ter o seu mandato suspenso em maio pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Em entrevista concedida à TV Globo após ser eleito, Maia disse que o resultado de hoje vai "virar essa página" do ex-presidente. "Cunha tem processo que está se defendendo. [...] Essa fase foi superada com a eleição. Agora, a Câmara quer olhar para a frente, que é construir diálogo com partidos, governo, sociedade. Esta é a agenda da Câmara: superação da crise, de todas elas – econômica, ética, moral e social também.
Ele também destacou o que deverá ser prioridade na Casa. "Temos pontos determinantes: a PEC do teto de gastos [públicos] está aqui [na Câmara], o projeto de lei da renegociação da dívida dos estados está pronta pro plenário, a PEC dos precatórios voltou do Senado. Depois, tem a reforma da Previdência, que precisa ser discutida com calma", declarou.
Filho do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM), Rodrigo Maia comandará a Câmara apenas até fevereiro de 2017, que é quando terminaria o mandato de Cunha. Às 0h15, o vice-presidente da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), que exercia interinamente a presidência, declarou a vitória de Maia.
Embora o DEM faça parte do governo Michel Temer – detém o comando do Ministério da Educação –, o partido não integra o chamado “Centrão”, que é um bloco informal que reúne siglas mais de centro-direita e que são a base de sustentação do Palácio do Planalto.
fonte g1.globo.com

Nenhum comentário: